RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio FiscalComo auxiliar empresas a escolher o melhor regime de tributação?

Como auxiliar empresas a escolher o melhor regime de tributação?

Entender a legislação tributária brasileira é uma tarefa árdua para qualquer pessoa, pois estamos falando de um conteúdo jurídico cheio de detalhes e que passa por constantes mudanças.

As empresas que estão de acordo com as leis terão maior probabilidade de liderar seus mercados, porque a adoção de uma estratégia inteligente é indispensável no momento.

É necessário conhecer em profundidade e, portanto, decidir entre os regimes tributários disponíveis no âmbito nacional, porque sua empresa será diretamente impactada por esta escolha.

Principalmente porque uma escolha errada pode trazer sérias perdas financeiras ao seu empreendimento. E não é isso que você quer, é?

Sendo assim, como auxiliar empresas a escolher o melhor regime tributação? Podemos dizer como, agora mesmo! Acompanhe os detalhes.

Com um bom planejamento tributário

Embora o termo “planejamento tributário” seja usado com frequência pelas empresas, ele não é necessariamente bem compreendido. Por isso, vamos começar explicando o que você precisa saber sobre planejamento tributário.

Definição de planejamento tributário

A definição de planejamento tributário mais simples e objetiva é: “as atividades executadas para minimizar os passivos tributários, a fim de garantir que todas as deduções, exclusões e isenções disponíveis estejam trabalhando em conjunto da maneira mais eficiente possível para reduzir a conta tributária total”.

A importância do planejamento tributário para a empresa

As estratégias de planejamento tributário geralmente são empregadas para ajudar uma empresa a atingir suas metas financeiras e comerciais. Existem benefícios do planejamento tributário para grandes e pequenas empresas, e o planejamento desempenha um papel importante. Suas principais funções são:

  • Redução do valor tributável;
  • Redução dos tributos a serem pagos;
  • Permitir o controle do que é pago;
  • Buscar benefícios e créditos fiscais.

Analisando os principais fatores da empresa para escolher o regime de tributação

Não dá para definir qual será o melhor regime de tributação para uma empresa sem realizar uma análise dos principais fatores impulsionadores do negócio.

Não se trata do segmento A ou B, ou apenas o tamanho da empresa. Cada empresa é como seu proprietário, única. Por isso, é somente por meio de uma avaliação de cada ponto relevante é que se descobre o regime de tributação mais vantajoso.

Escolhendo o regime de tributação ideal para sua empresa

Os regimes tributários são o conjunto de regras que regem o relacionamento entre sua empresa e as autoridades fiscais. O intuito é que as obrigações fiscais sejam cumpridas – quer sejam elas as principais (o ato de pagar impostos) ou incidentais (compartilhando determinadas informações), como como SPED Fiscal.

Opções de regimes de tributação

Atualmente, existem três principais regimes tributários:

  • Lucro Real;
  • Lucro Presumido;
  • Simples Nacional.

Depois de avaliar o financeiro da empresa, o ramo de negócios, o porte da empresa e demais particularidades, é hora de escolher o regime de tributação que mais oferece benefícios a essa empresa.

A escolha entre um dos regimes tributários é fundamental para o futuro da empresa, pois você pagará mais ou menos impostos, dependendo da opção escolhida. Além do que, isso também afetará o tempo necessário para cumprir as obrigações.

Sendo assim, veja como funciona os regimes de tributação no Brasil:

Lucro Real

Pode ser entendido como o regime tributário padrão, pois funciona da seguinte forma: tudo o que acontece no seu negócio é determinado por meio de lançamentos contábeis, gerando receitas, custos e despesas que, ao final de um determinado período, serão destinados a gerar um resultado (lucro ou prejuízo), que receberá a tributação devida.

Apesar de considerado o padrão – os impostos são cobrados de acordo com seus resultados – esse regime não é necessariamente o mais comum. Normalmente, o lucro real é visto em empresas maiores que, em virtude da lei, são forçadas a optar por isso.

No entanto, existem empresas menores que, devido ao planejamento tributário, optam por enfrentar esse esquema, sabendo que essa é uma escolha adequada para empresas de baixo lucro. Por isso, falamos sobre ter um bom planejamento tributário antes.

Lucro Presumido

A grande característica desse regime tributário é o cálculo do lucro por meio de alíquotas específicas determinadas pelas autoridades fiscais: as alíquotas presumidas.

Dependendo da atividade realizada pela sua empresa, o faturamento do período em questão pode sofrer a incidência de uma taxa de imposto para determinar a base de cálculo do IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) – os impostos cobrados no lucro.

Uma empresa, por exemplo, de serviços gerais, cuja receita bruta é inferior a R$ 120 mil, deve cobrar seus impostos com base no percentual de presunção de 16% para o IRPJ.

Se funcionar com margens de lucro mais baixas, o ideal é optar pelo regime de lucro real, ou pagará mais impostos no lucro presumido e, dessa forma, acabará sofrendo perdas.

Por outro lado, a empresa que presta serviços hospitalares, por exemplo, utiliza o percentual presumido de 12% para o cálculo da CSLL. Se tiver margens mais altas, é mais vantajoso optar pelo lucro presumido pagando menos impostos.

Em resumo, é interessante considerar a estratégia de optar por esse regime tributário quando suas margens de lucro forem maiores que a alíquota de presunção para sua atividade. No lucro presumido, ainda há algum grau de dificuldade no cumprimento de obrigações e supervisão acessórias, mas não tão forte quanto o lucro real.

Simples Nacional

Entre os regimes tributários disponíveis, o Simples Nacional, a princípio, pode ser visto como o menos oneroso para as empresas.

Suas taxas são muito baixas em comparação com os outros dois esquemas, mas não é qualquer empreendimento que pode seguir esse caminho. Existem limitações – como atividades e nível de receita bruta em 12 meses – o que o torna um regime tributário adequado para micro e pequenas empresas. empresas.

O Simples Nacional, atualmente dividido em seis anexos, que correspondem a um grupo de atividades. Cada anexo possui alíquotas que aumentam com a receita comercial nos últimos 12 meses.

Pode chegar um momento em que o lucro real ou o lucro presumido sejam mais vantajosos financeiramente. Mas é preciso lembrar que, no Simples Nacional, a supervisão é menor e o ônus das obrigações é muito menor.

Conclusão

Por fim, a escolha do regime de tributação mais adequado para sua empresa depende, em princípio, dos resultados da sua empresa. Com as taxas predefinidas de lucro predefinido, você pode ter vantagens e desvantagens, como nos exemplos que usamos anteriormente.

Sendo assim, o auxílio para escolha certa precisa vir de alguém qualificado para tal. Como a opção escolhida não pode ser alterada ao longo do ano, é essencial observar os últimos anos e fazer simulações, verificando qual opção você pode pagar menos impostos de uma maneira completamente legal.

Leia também:

Assista também:

 


Redação Grupo Studio