RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio FiscalPresença online: 4 erros que o seu escritório de advocacia não pode cometer

Presença online: 4 erros que o seu escritório de advocacia não pode cometer

Presença online: 4 erros que o seu escritório de advocacia não pode cometer

Numa época em que existem milhões de números de celulares no Brasil e as redes de conexão com a internet não param de proliferar, marcar uma boa presença online é fundamental nas mais diversas áreas de atuação. No entanto, como o Direito é um ramo extremamente competitivo, é importante saber quais são os erros que o seu escritório de advocacia não pode cometer.

Há algumas regras que merecem uma observação mais atenta, para que a sua marca não corra o risco de perder credibilidade e autoridade perante os clientes ou até mesmo diante da concorrência. Ficou interessado? Quer descobrir quais são elas? Então confira o conteúdo que preparamos a seguir:

1. Deslizar no português

Um dos erros mais graves que um escritório de advocacia jamais deve cometer ao tentar marcar uma boa presença online é deslizar no português. Por incrível que pareça, isso acontece com mais frequência do que a gente pode imaginar, e poucas coisas podem minar mais a credibilidade e a confiança de uma empresa na área do Direito que isso.

É fundamental estar precavido quanto ao conteúdo postado, pois um dos motivos mais comuns desse tipo de problema ocorre exatamente quando o serviço digital é terceirizado, e o profissional acaba cometendo algum erro de ortografia ou gramática. O mesmo pode ocorrer com os funcionários responsáveis pela produção e divulgação de conteúdos nos meios de comunicação do escritório. Portanto, mantenha os olhos atentos!

2. Esquecer-se do Código de Ética

Ao contrário do que muitos profissionais podem pensar, o Código de Ética é uma ferramenta muito importante para quem quer marcar presença online e deve servir não como um limitador, mas sim como um verdadeiro aliado nessa empreitada. Ele não proíbe o marketing de divulgação, mas sim o regula.

Entre outras coisas, o Código estipula como as propagandas podem ser realizadas de maneira adequada com a área, não permitindo somente a veiculação de publicidade ostensiva em redes de televisão ou rádio. Ainda assim, ele deixa um leque imensurável de oportunidades para o merchandising jurídico!

 

Baixe agora grátis: Guia essencial para aumentar a rentabilidade no seu escritório de advocacia

 

3. Não entender seu público-alvo

Outro erro que o seu escritório de advocacia não pode cometer, especialmente se estiver na fase inicial de funcionamento, é não ter um público-alvo e uma área de especialização bem definidos. Isso não quer dizer que você vai deixar de atender outros perfis de cliente, mas sim que aquele setor e aqueles tipos de caso serão o seu forte.

Essa é uma atitude que não apenas dá maior segurança para o advogado, como também passa mais autoridade para a sociedade, tornando a sua empresa mais próxima de ser uma referência no mercado. O ideal é ter um bom planejamento, escolher as especialidades e traçar seu público-alvo!

4. Desdenhar das redes sociais

Por fim, desdenhar das redes sociais também é um dos erros que o seu escritório de advocacia não deve cometer. Tenha em mente que estamos em uma sociedade conectada, e quem não marcar presença nesse tipo de mídia não apenas estará abrindo mão de uma poderosa estratégia, como também dará armas para os concorrentes.

Perfis dos advogados ou das empresas jurídicas já são bastante comuns, especialmente no Facebook e no LinkedIn. Mas não caia na tentação de pensar que um só site é suficiente: as pessoas requerem interação, conectividade e velocidade — explore isso em favor do seu negócio!

Esses são alguns dos erros que o seu escritório de advocacia não pode cometer ao tentar marcar presença online. Tem alguma dúvida ou sugestão? Então deixe aqui um comentário e conte para a gente!

 


Acesse nossos eBooks gratuitos:

Guia da Consultoria Tributária: a forma mais segura da sua empresa pagar menos impostos
Manual da gestão tributária: guia prático para empresários


Redação Grupo Studio