RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio FiscalMarketing jurídico: aplicando ações para conquistar o mercado

Marketing jurídico: aplicando ações para conquistar o mercado

O marketing jurídico tem sido cada vez mais utilizado por escritórios de advocacia espalhados pelo Brasil. Além de ser decisivo para aumentar a rentabilidade do escritório, este modelo de marketing tornou-se crucial para construir uma grande marca em meio à concorrência.

No entanto, alguns advogados e profissionais da área ainda hesitam em investir no marketing jurídico por receio de infringirem o Código de Ética da OAB, que dita alguns critérios sobre propaganda e publicidade.

Para sanar suas dúvidas sobre marketing jurídico, leia o post a seguir e aprenda um pouco mais sobre esse tema!

 

O que diz o Código de Ética da OAB

No Capítulo VIII – “Da Publicidade Profissional”, atualizado recentemente pelo Código, ficou permitido que os advogados podem valer-se de canais digitais como site, blog, e-mail, redes sociais e meios similares para divulgar suas especialidades e serviços, desde que as estratégias estejam de acordo com as seguintes diretrizes:

Art. 41. As colunas que o advogado mantiver nos meios de comunicação social ou os textos que por meio deles divulgar não deverão induzir o leitor a litigar nem promover, dessa forma, captação de clientela.

Art. 42. É vedado ao advogado:

I – responder com habitualidade a consulta sobre matéria jurídica, nos meios de comunicação social;

II – debater, em qualquer meio de comunicação, causa sob o patrocínio de outro advogado;

III – abordar tema de modo a comprometer a dignidade da profissão e da instituição que o congrega;

IV – divulgar ou deixar que sejam divulgadas listas de clientes e demandas;

V – insinuar-se para reportagens e declarações públicas.

Art. 46, respeitando a seguinte diretriz: A telefonia e a internet podem ser utilizadas como veículo de publicidade, inclusive para o envio de mensagens a destinatários certos, desde que estas não impliquem o oferecimento de serviços ou representem forma de captação de clientela.

 

Baixe agora grátis: Guia essencial para aumentar a rentabilidade no seu escritório de advocacia

 

Dicas para um bom marketing jurídico

Agora que você já sabe que é possível investir em marketing jurídico sem cometer infrações ao código de Ética da OAB, acompanhe 5 dicas estratégicas para conseguir uma excelente visibilidade de seu escritório:

Cuide de sua identidade visual

Um logotipo bem-elaborado com cores e formas que expressam seus diferenciais de profissionalismo deve ser o ponto de partida para trabalhar a marca de um escritório jurídico. Por isso, é importante investir na contratação de um profissional ou agência especializada em design para desenvolver a “simbologia” e identidade visual de sua marca.

Tenha um site expressivo

O primeiro passo para gerar presença e autoridade no mundo digital é publicar um site criativo e arquitetado com as melhores tecnologias de programação da atualidade. Porém, não basta colocar o site na rede e esperar que ele tenha um grande volume de visitas.

Para ter bons resultados em acessos, é fundamental abastecê-lo com um conteúdo de qualidade, transformando-o em um site útil e informativo para aqueles que pesquisam sobre sua especialidade jurídica na internet.

Faça parcerias em eventos

Para além do universo digital, é importante que o escritório marque presença em ambientes do “mundo real”, participando de eventos que estejam relacionados às suas competências como seminários, congressos e palestras. Nesses eventos, é possível conhecer pessoas ou até mesmo empresas que estejam precisando de uma parceria jurídica para causas específicas.

Mantenha contato com clientes antigos

O relacionamento amistoso por meio de newsletters pode ser feito sempre que houver a aceitação prévia do cliente. Podem ser enviados, por exemplo, boletins informativos, mensagens de feliz aniversário e datas comemorativas, votos de fim de ano, entre outros conteúdos que demonstrem cordialidade e facilitem a retomada de contato por parte do cliente quando lhe for conveniente.

Esteja nas redes sociais

Interagir em redes como Facebook e LinkedIn — respeitando os critérios do Artigo 42 — é uma excelente estratégia para manter o escritório sempre engajado com o meio social. Lembre-se de que a publicação de posts com informações valiosas para a sociedade influenciará positivamente na percepção que os potenciais clientes possam ter do seu escritório.

 

Principais erros cometidos no marketing jurídico

Deslizar no português

Um dos principais erros de marketing jurídico que nenhum advogado ou escritório pode cometer é deslizar no português. Infelizmente, isso é bastante comum — especialmente quando os serviços de divulgação e propaganda são terceirizados ou passados para as mãos de profissionais menos experientes.

Jamais arrisque-se nesse aspecto, pois uma palavra inadequada ou um equívoco na linguagem pode minar a sua credibilidade e a sua autoridade no setor muito mais do que você pensa, tanto com possíveis clientes ou até mesmo com a concorrência.

Desconhecer o público-alvo

Conhecer o público-alvo é muito importante em qualquer segmento do mercado, e isso não é diferente no universo do direito. No entanto, falhar nesse quesito é um erro muito comum de marketing jurídico, especialmente entre advogados que ainda estão nas fases mais prematuras da carreira profissional.

Iniciantes, em linhas gerais, tendem a aceitar mais algumas demandas de áreas diferentes daquelas nas quais eles se especializaram. Isso é um equívoco, pois o ideal é investir ao máximo no seu ramo e optar preferencialmente pelas vertentes que estão em ascensão, aumentado as chances de ganhar credibilidade nesse segmento.

Não valorizar a qualidade

Outro erro recorrente no marketing como um todo, inclusive no jurídico, é valorizar mais a quantidade do que a qualidade. Na maioria das vezes, optar por gastar pouco em divulgação acaba resultando em não atrair um número adequado de casos, de clientes e até mesmo de parceiros.

Possivelmente, um merchandising ruim atrairá os processos de menor remuneração ou apenas causas pequenas, que certamente não compensarão o investimento de tempo e de estudo. As maiores causas só serão designadas para profissionais que passem a confiança de que prestarão um serviço de qualidade como contrapartida.

Menosprezar as mídias sociais

Como dissemos, as redes sociais ocupam um papel fundamental nas estratégias de divulgação de empreendimentos de todos os tamanhos e setores nos dias de hoje. Por essa razão, não investir nesse tipo de mídia acaba sendo um erro bastante grave em termos de marketing jurídico.

O ideal é identificar quais são os sites do gênero que podem atender melhor a demandas, expectativas, objetivos e necessidades dos advogados e do escritório como um todo, bem como dos clientes que formam o público-alvo do negócio. Depois, é só utilizar a linguagem certa e colher os resultados de uma boa estratégia de mídias sociais.

Fica claro, por fim, que o Código de Ética da OAB não impede a aplicação de estratégias de marketing jurídico, desde que seja respeitada a integridade de suas regras e não haja abordagem de temas que comprometam a dignidade da profissão e de instituições advocatícias.

Se você gostou deste conteúdo, não deixe de conferir também o nosso post com as 5 melhores práticas para advogados!


Redação Grupo Studio