RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio FiscalDesvende os 6 principais mitos sobre franquias!

Desvende os 6 principais mitos sobre franquias!

O mercado de franquias é um dos maiores do país, tendo movimentado R$ 151,247 bilhões em 2016 de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Franchising (ABF). Isso significa que houve aumento de 8,3% em relação a 2015, quando o faturamento foi de R$ 139.593 bilhões. Ou seja, mesmo em cenário de crise econômica, o crescimento foi expressivo, demonstrando o grande potencial da área e tornando-a bastante atrativa para empreendimentos. Todavia, existem alguns mitos sobre franquias que podem iludir ou desmotivar os interessados.

As concepções equivocadas que grassam sobre o assunto não só causam dúvidas, como podem gerar frustrações e decepções para o franqueado. Por isso, desfazemos 6 dos mitos mais comuns sobre franquias para que você possa se esclarecer antes de optar por se juntar ao ramo. Confira!

1. Em franquias o trabalho é menor

Abrir uma franquia não significa trabalho reduzido, mesmo que haja um suporte fornecido pela franqueadora para as operações, além de padrões de processos e equipamentos já definidos. Quem monta um negócio do tipo tem as mesmas responsabilidades e atribuições de outras empresas, com a diferença de ter de prezar pela qualidade e pelo nome da marca, ou seja, mantendo um bom nível de gerenciamento e operação.

Além disso, o franqueado terá de definir estratégias para fomentar o negócio e impulsionar as vendas como em qualquer organização. Dependendo do setor, também poderá ser necessário trabalhar aos finais de semana, feriados e no período da noite.

2. O franqueado não tem poder e liberdade dentro da rede

Embora existam normas de padronização de processos, instrumentos de gestão e dos recursos físicos (quando houver), o franqueado tem sim poder e liberdade dentro da rede. Não são amplos como em um negócio independente, porém permitem seu envolvimento, comprometimento e voz para sugerir ideias em nome do próprio crescimento da rede.

Há também casos em que você deverá adaptar produtos/serviços para sua localidade se quiser ter êxito.

3. A franqueadora fará tudo por mim

A franqueadora é responsável por fornecer o modelo de negócio, pela consultoria para que ele seja implantado e por atuar como parceira do advogado ou escritório de advocacia, não por processos operacionais e organizacionais do franqueado.

A gestão também deve ser feita com planejamento e cuidado pelos gestores do negócio, pois o êxito do empreendimento e o aumento das receitas financeiras dependem de suas atuações.

 

Baixe agora grátis: Guia essencial para aumentar a rentabilidade no seu escritório de advocacia

 

4. Advogado não pode ter franquia

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) permite que o advogado tenha um segundo negócio paralelamente à sua atividade. Além disso, existem muitas franquias jurídicas que têm se destacado no mercado.

A grande vantagem de um negócio assim para o advogado está no suporte recebido e no prestígio que a marca já possui, sendo ainda melhor para quem está começando e não tem experiência na área.

5. As chances de sucesso em uma franquia são garantidas

Como toda empresa, dentro de uma franquia, é preciso cuidar de todos os processos internos, gerir o estoque, alocar recursos, delimitar estratégias para conseguir clientes, focar em bom atendimento etc. Ou seja, da boa gestão desses itens e do empenho dos colaboradores é que dependerão seus resultados e sucesso. Não há nada garantido.

A rede de franquias faz o papel dela fortalecendo a marca e captando clientes, porém quem deverá executar as etapas seguintes (atendimento, negociação, vendas etc.) é o franqueado, e se tais pontos forem feitos de forma ineficaz, a franquia dificilmente terá êxito.

6. Qualquer pessoa pode abrir um negócio assim

Não é qualquer pessoa que pode abrir uma franquia, pois são necessárias algumas características e qualidades pessoais, como vontade de aprender, perseverança, criatividade, tolerância aos riscos envolvidos, entre outras. Em suma, é preciso ter um perfil de empreendedor ou buscar adquirir o preparo necessário para isso, por meio de estudo e pesquisas.

Também deve-se desenvolver visão de mercado, aprender mais sobre tributação e propor ideias inovadoras.

Abrir uma franquia tem muitas vantagens, entre as quais estão a marca já reconhecida, processos já estruturados e padrões prontos para serem aplicados. Esse mercado também está em expansão, resistindo melhor à crise. Todavia, é importante não se deixar levar pelos mitos que cercam essa atividade para conseguir montar uma franquia de forma consciente.

Restou alguma dúvida sobre a atuação no ramo de franquias? Compartilhe conosco nos comentários!


Redação Grupo Studio